Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Em Saltos Altos

30
Dez16

Arre, sou mesmo eu?

emsaltosaltos

Captura de ecrã 2016-12-30, às 14.47.06.png

 

 

 

1 ano. Mais coisa menos coisa. 1 ano é o tempo que separa estas fotografias. E, arre, sou mesmo eu? Sou. Contra factos não há argumentos: é a Ana Leitão. Mas talvez numa versão 2.0.

Mais uma vez este post nasce do desafio de um amigo - daqueles de coração, que provaram que o que é verdadeiro vale sempre a pena. Disse-me ele que eu, e quem me segue, devia ver o meu antes e o depois. E cá está ele. E sabem que mais? Nem eu tinha noção que as mudanças e as transformações tinham sido de tal ordem.  

Não se trata só da cor de cabelo, do peso ou da roupa. Trata-se da atitude, do sorriso, da liberdade e do brilho no olhar. Dessas coisas que as pessoas têm passado os últimos meses a dizer-me que mudaram em mim e que eu, uma e outra vez, ia achando que era tudo para me fazerem sentir melhor. Mas não era nada, porra! É verdade. 

E sabem ainda que mais? Estou orgulhosa de mim mesma. Muito! Que se dane se vão achar que é auto confiança a mais ou se roça o narcisismo. Eu gosto de mim. Gosto mesmo. Desta minha versão. Gosto da Ana em que me tornei. Que trabalhei - e trabalho - todos os dias para conseguir. Do sorriso sincero e desse brilho - de que me falam tanto - que agora trago no olhar.

Segredos? Não os tenho. Nem fórmulas, nem nada que se pareça. As mudanças, quando acontecem na nossa vida, vêm de dentro. Do coração. E acontecem quase como se não déssemos por elas. São fruto dessa capacidade constante que o ser humano tem sempre de voltar a acreditar e voltar a amar. São, tantas as vezes, o resultado de um quase bater no fundo que nos mostra que estávamos a ir pelo caminho errado para tentar chegar ao destino certo.

Agora? Agora não sei, ainda, qual é o destino. Mas vale-me, todos os dias, a certeza de que o caminho é o mais certo. E que não podia ter escolhido outro. E que estou onde sempre quis estar. E que sou eu, assim, completa. Um ano depois. 

 

Captura de ecrã 2016-12-30, às 14.47.03.png

 

Captura de ecrã 2016-12-30, às 14.47.05.png

 

 

 


1 year. More or less. 1 year is the time that separates these photos. And, damn, is it really me? Yes, it is. Against facts there are no arguments: it is Ana Leitão. But maybe in version 2.0. Again this post is born of the challenge of a friend - those of heart, who proved that what is true is always worth it. He told me that I, and whoever follows me, should see mine before and after. And here it is. And you know what? Nor was I aware that the changes and transformations had been such. It's not just about the hair color, weight or clothing. It’s the attitude, the smile, the freedom and the brightness in the eyes. These things that people have spent the last few months telling me that they have changed in me and that I, again and again, thought it was all to make me feel better. But it was not, damn it! It is true. And you know what else? I'm proud of myself. So much! And damn if they will think that it is more self confidence or if it’s narcizism. I like myself. I really do. This is my version. I like the Ana I became. That I worked - and I work - every day. Of the sincere smile and the brightness - of which they tell me so much - that I now bring into my eyes. Secrets? I do not have them. Neither formulas, nor anything that looks like it. Changes, when they happen in our life, come from within. From heart. And they happen almost as if we do not give for them. They are the fruit of this constant capacity that the human being always has to come back to believe and return to love. They are, so often, the result of an almost knocking on the bottom that shows us that we were going the wrong way to try to get to the right destination.

Now? Now I do not know, yet, what is destiny. But it's worth every day that the road is the right one. And that I couldn’t have chosen another. And that I'm where I've always wanted to be. And that's me, so, complete.

 One year later.