Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

emsaltosaltoss

28
Nov18

6 anos!

emsaltosaltos

EBE568E2-9DAA-4498-B1A5-199F39D4134E.jpeg

 

B622AD57-2FEC-4CBF-B77B-32B4E8F1B433.jpeg

 

BF15078E-7B1B-402F-B261-D12A4DC90CE3.jpeg

 

1D7B2F42-C49C-4A3A-8CDD-2CF9C263EE23.jpeg

 

2A2C6896-ADFE-4E8A-9BF9-1F2BD2088D53.jpeg

 

1C378907-A956-4B20-8508-68FA2357AC7A.jpeg

 

862141D5-BC0B-42D9-92E4-93D2BCA317A2.jpeg

Há coisas que só o destino explica. Estava de caderno aberto à espera de inspiração para escrever este texto, enquanto o meu professor de projeto apresentava a próxima fase do exercício. Às páginas tantas, em meio à minha distração, consegui ouvi-lo dizer que aprender a desenhar é sem dúvida mais fácil que aprender a andar. E que isso todos aprendemos - como quem nega a possibilidade de alguém não saber desenhar. Mas a mim não foi isso que me prendeu. Foi mais a dúvida de se ele sabe exatamente quanto custa aprender a andar. Felizmente, acho que não. Mas eu sei. Comecei a sabê-lo faz hoje 6 anos. Exatos 6 anos. Foda-se, como o tempo voa! 

E, ainda que tenha sido consideravelmente mais difícil que desenhar, foram os melhores 6 anos da minha vida. Ou talvez os únicos desta nova vida. 

Estas fotografias fi-las como quem quer assinalar a data. Como se fazem as do Natal ou de um aniversário. O meu corpo conta uma história - e, porra, sou mesmo sortida, porque disto não se podem todos gabar. Ela, a minha cicatriz, conta uma história. A minha história.

Há coisa de umas semanas falava com um amigo sobre isso. Sobre marcas. Inevitáveis. De histórias. E sobre escondê-las. Perguntou-me se alguma vez o faria. E tive a certeza na resposta: não. E tatua-la? Não! 

Acredito, cada vez mais, que nada nos acontece por acaso. E que, quase sempre, os males vêm por bem. E que as marcas são pins que ficam para nos lembrarem do que um dia foi. E eu quero lembrar-me sempre. Todos os dias. Às vezes com mais, às vezes com menos medo. Às vezes a chorar. Quase sempre a sorrir. Quero lembrar-me: porque isso me lembra de quem sou. E, inevitavelmente, de quem fui a partir daquele dia. 

E quero lembrar-me, todos os dias, de que já aprendi a andar duas vezes. Ora então, venham de lá esses desenhos - que, tem razão professor, não há de ser assim tão difícil.

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Comentários recentes